O que é Arte?

“A ciência descreve as coisas como são; a arte, como são sentidas, como se sente que são.”

Fernando Pessoa

Há inúmeras possibilidades de definição de arte. Não há como limitá-las a determinado estilo ou gosto. Variações conceituais foram atribuídas no tempo e no espaço.

A palavra deriva do latim ars, artis, que significa maneira de ser ou de agir, profissão, habilidade natural ou adquirida, e, na cultura greco-romana, possuía o sentido de ofício, habilidade. Nessa concepção, a arte estava ligada ao propósito de fazer, ou seja, era concebida com base em um aspecto executivo e manual.

A arte também foi e é vista por alguns como conhecimento, visão ou contemplação. Nesse caso, coloca-se em segundo plano o aspecto exterior da arte, o objeto criado, e concede-se a ela um sentido de visão da realidade, ou seja, de retrato de formas de conhecer.

A terceira definição coloca que a arte é expressão. Essa visão, que é fruto especialmente do Romantismo, define arte com base em seus elementos externalizados em os motivos que a tornam viva, ou seja, alinha as formas do objeto artístico criado com os sentimentos que a animam e a suscitam.

Certamente todas essas concepções de arte têm seu sentido e valor. A arte é, por excelência, o lugar de conhecimento, feitura e expressão. Em resumo, a arte como um fazer, arte como conhecimento e arte como expressão.

A definição de arte pode variar de acordo com determinado contexto cultural, isto é a existência, ou não, de um processo que conduz à criação de um objeto belo, com todas as suas implicações teóricas, técnicas pessoais e sociais, consequências da apreciação da beleza como parte essencial do resultado. Mas também é possível qualificar como arte objetos ou processos criativos de outras épocas ou civilizações, julgamento esse realizado à margem da avaliação concreta que teve para seu autor ou para a sociedade à qual pertencia. A mera apreciação estética posterior desse objeto ou processo já era suficiente para que seja intitulado como arte. Tal qualificação é que possibilita hoje chamar de arte obras pré-históricas, em outras épocas consideradas primitivas.

Elencamos algumas definições para Arte:

  • Criação humana de valores estéticos (beleza, equilíbrio, harmonia, revolta, etc.) que sintetizam suas emoções, sua história, seus sentimentos e sua cultura;
  • Capacidade do homem de criar e expressar-se, transmitindo ideias, sensações e sentimentos através da manipulação de materiais e meios diversos;
  • Atividade humana ligada a manifestações de ordem estética, feita por artistas a partir de percepção, emoções e ideias, com o objetivo de estimular esse interesse de consciência em um ou mais espectadores, e cada obra de arte possui um significado único e diferente;
  • Reflexo do ser humano que muitas vezes representam a sua condição social- histórica e sua essência de ser pensante;
  • Habilidade ou disposição dirigida para a execução de uma finalidade prática ou teórica, realizada de forma consciente, controlada e racional;
  • Composto de meios e procedimentos realizados pelo homem, através dos quais é possível a obtenção de finalidades práticas ou a produção de objetos; técnica para criar algo;
  • Conjunto de obras de determinado período histórico, nação, povos, movimento artístico, por exemplo, Arte Medieval, Arte Africana, Arte Realista, etc.

A humanidade cria objetos para satisfazer as suas necessidades práticas – arte utilitária; como meio de vida para que o mundo saiba o que pensa; para divulgar as suas crenças (ou as de outros); para estimular e distrair a si mesmo e aos outros; e para explorar novas formas de olhar e interpretar objetos e cenas.

Ernest Gombrich, famoso historiador de arte, afirmou que nada existe realmente a que se possa dar o nome de arte. Existem somente artistas. Arte é um tipo de fenômeno cultural. Regras absolutas sobre arte não sobrevivem ao tempo, mas a cada época, diferente grupos ( ou cada indívíduo) escolhem como compreendem esse fenômeno. Os historiadores de arte buscam determinar os períodos que empregam certo estilo estético, denominando-os por movimentos artísticos.

A arte registra ideias e as ideologias de culturas e etnias, sendo assim, ela se torna fundamental para a compreensão da história da humanidade e do mundo. Formas artísticas podem extrapolar a realidade, exagerar coisas aceitas ou simplesmente criar novas formas de se observar a realidade.

Uma das características da arte é a dificuldade que se tem de conferir-lhe utilidade. Muitas vezes esta dificuldade em encontrar utilidade imediata para a arte mascara preconceitos contra arte e os artistas. Como manifestação cultural humana, pode ser utilizada para coesão social, reafirmando valores ou, pelo contrário, criticando-os.

A arte possui a função transcendente, ou seja, manchas de tinta sobre uma tela ou palavras escritas sobre um papel simbolizam estados de consciência humana, abrangendo percepção, emoção e razão. A arte pode trazer indícios sobre a vida, a história e os costumes de um povo, de uma época, inclusive daqueles já extintos. Assim, conhecemos várias civilizações por meio de sua arte.

ESTÉTICA

A arte está ligada à estética, porque é considerada uma faculdade ou ato pelo qual, trabalhando uma matéria, a imagem ou o som, o homem cria beleza ao se esforçar por dar expressão ao mundo material ou imaterial que o inspira.

A obra de arte instiga a reflexão e os sentidos. Existe uma parte da Filosofia, chamada Estética, que se ocupa de pensar a arte e o belo. A palavra estética vem do grego aesthetiká, ou seja, coisas percebidas pelos sentidos, pelas sensações. Seria assim, a parte da Filosofia dedicada a compreender os efeitos das sensações provocadas pela arte.

O BELO E A ARTE

Quando se contempla uma obra de arte, ocorre uma interação, experimentado-se nessa relação diferentes estéticas, sentimentos e percepções. Apreciar um quadro pintado de forma tradicional, ou seja, com tinta sobre tela, por exemplo, é mergulhar em uma experiência dos sentidos.

O belo não é necessariamente o objeto criado, mas o resultado da arte, ou seja, o encontro com as sensações que a obra propicia a quem a observa. Isso porque, mesmo que um objeto criado não seja considerado belo, da forma tradicionalmente concebida – com formas perfeitas e proporções harmônicas – a experiência artística será sempre uma experiência com o belo, à medida que o contato com a obra propiciará um contato com os elementos do sensível.

HISTÓRIA DA ARTE

A história da arte consiste em uma ciência que estuda os movimentos artísticos, as modificações na valorização estética, as obras de arte e os artistas. Esta análise é feita de acordo com a vertente social, política e religiosa da época que é estudada. Várias outras ciências servem de auxílio para a história da arte, como a numismática, paleografia, história, arqueologia, psicologia, sociologia, etc.

Através da história da arte é possível aprender sobre o ser humano através da evolução das suas diversas expressões e manifestações artísticas.

A arte transforma nossa maneira de pensar e entender o mundo, pois, nos faz repensar os nossos posicionamentos socioculturais e artísticos. Busca a análise dos objetos de arte em percursos históricos, pois de alguma forma a arte interfere na sociedade e, ao mesmo tempo, recebe influências do meio em que está inserida.

Estudar história da arte significa entender e refletir sobre as principais correntes da crítica de arte, o estudo de objetos artísticos, buscando a arte na relação homem-mundo, pensando e analisando os momentos cultural-artístico e estético de diversos tempos e sociedades, criando desta forma conhecimentos significativos sobre a humanidade.

 

*Referência: este texto faz parte do trabalho do site História das Artes. Vale a pena conferir!