Invasão criativa no Hospital Matarazzo

Hector-Zamora-e1409149703128

“Made by…Feito por Brasileiros” (exposição realizada em 2014) trouxe obras de mais de 100 artistas em um local histórico adormecido no coração de São Paulo: o público pode conferir uma exposição fora de um ambiente tradicional de grandes mostras.

Durante cinco semanas, uma verdadeira invasão criativa ocupou pavilhões, corredores e jardins do antigo Hospital Umberto Primo, também conhecido como Hospital Matarazzo, fazendo pulsar novamente a energia criativa naquele antigo e poético complexo de edificações.

Durante cerca de duas décadas, o espaço, que ocupa uma área de 27 mil metros quadrados, a poucas quadras da avenida Paulista – teve sua vida interrompida. Desde o começo do século passado, o hospital foi uma referência em saúde e orgulho da cidade, especialmente da numerosa colônia italiana. Alheio às mudanças que aconteciam em seu entorno, aos poucos se tornou quase invisível.

Os visitantes tiveram a oportunidade única de ver uma exposição que reuniu obras de cerca de cem artistas de diferentes países, metade deles do Brasil. Ainda ostentando as marcas do tempo e do abandono, os prédios antigos foram ocupados pela energia irreverente da arte contemporânea. A maioria das obras que integraram essa mega exposição foi concebida pelos artistas especificamente para o lugar e tiveram a efêmera existência de 35 dias.

Importantes nomes da cena contemporânea mundial, como Adel Abdessemed, Moataz Nasr, Jean Michel Othoniel, Joana Vasconcelos, Francesca Woodman, Tony Oursler e Kenny Scharf ocuparam todos os espaços, ao lado de consagrados nomes da arte contemporânea brasileira, entre eles Tunga, Henrique Oliveira, Carlito Carvalhosa, Márcia e Beatriz Milhazes, Iran do Espírito Santo, Cildo Meireles, Nuno Ramos e Vik Muniz. A primeira obra exposta dentro dos prédios foi a proposição Baba Antropofágica, criada por Lygia Clark em 1973.

Ao explicar o conceito que fundamenta a idealização da mostra, o curador Marc Pottier deixa claro que não se trata de uma exposição convencional. “Preferimos o termo invasão criativa”, assinala. O evento se propôs a ser uma experiência em um lugar fechado há mais de 20 anos, que se tenta manter, tanto quanto possível, em mente. “Gostaríamos que o público a vivesse como um todo, um lugar abandonado, onde ele chegaria a descobrir um laboratório de ideias de muitos artistas convidados. Não haverá cartazes ou fichas de explicação. Com duas exceções de empréstimo e apresentação de trabalhos em vídeo, nenhum trabalho será ‘ligado’. O público vai descobrir o corpo a corpo dos artistas com volumes e com a arquitetura do lugar”, convida Marc Pottier.

*Texto extraído e adaptado do site misturaurbana.com

Obra-de-Kenny-Scharf

MAIS INFORMAÇÕES:

Facebook: Feito por Brasileiros 

Vídeo sobre a abertura da exposição e apresentação da arquitetura do Hospital.

Vídeos sobre a invasão criativa dos artistas no espaço:

Por Dentro do HOSPITAL MATARAZZO – Made by… feito por brasileiros | Parte ½

Por Dentro do HOSPITAL MATARAZZO – Made by… feito por brasileiros | Parte 2/2

Reportagem do Arte1 Em Movimento sobre a exposição